sábado, 18 de novembro de 2017

Jô na Seleção

Pergunta que não quer calar, exigindo  resposta de quem não deixa a emoção e a paixão superar a razão: Se o Corintihans não vencesse o Fluminense e Jô não marcasse nenhum gol, estaria, a esta hora, sendo badalado e incensado para a seleção brasileira? O bom senso é "noiz"!

PIM fecha setembro com avanços nos indicadores de faturamento e mão de obra

O Polo Industrial de Manaus registrou faturamento de R$ 58,6 bilhões entre janeiro e setembro de 2017, o que equivale a um crescimento de 8,4% em relação ao mesmo período do ano passado, quando foram faturados perto de R$ 54 bilhões. Na comparação dos valores em dólar, o resultado também é positivo, com faturamento de US$ 18.5 bilhões e crescimento de 18,6% ante o mesmo intervalo de 2016 (US$ 15.6 bilhões).

O mês de setembro registrou ainda o melhor resultado de mão de obra do PIM no ano. Os 86.990 trabalhadores empregados – entre diretos, temporários e terceirizados – corresponderam à melhor marca desde novembro do ano passado (87.884 trabalhadores). Com o resultado apurado em setembro, a média mensal de mão de obra do PIM em 2017 está fixada em 85.380 trabalhadores.

As exportações também tiveram alta. Entre janeiro e setembro, o montante exportado pelo Polo foi de US$ 367.1 milhões, o que representa um crescimento de 5,9% em relação ao mesmo intervalo do ano passado (US$ 346.6 milhões).

Segmentos e produtos
Os cinco principais segmentos do Polo Industrial de Manaus, até setembro, por representatividade de faturamento, foram Eletroeletrônico (29,2%), Bens de Informática do Polo Eletroeletrônico (20,3%), Duas Rodas (13,5%), Químico (11,9%) e Metalúrgico (6%).

Os segmentos Eletroeletrônico e de Bens de Informática são justamente um dos maiores destaques do PIM neste ano. Com faturamento de R$ 17,1 bilhões entre janeiro e setembro, Eletroeletrônico alcançou um crescimento de 20,1% em relação ao mesmo intervalo de 2016. Já Bens de Informática, com faturamento de R$ 11,9 bilhões, registrou crescimento de 19,7%.

Outros segmentos que também apresentaram crescimento de faturamento nos nove primeiros meses de 2017 incluem Mecânico (25%), Bebidas (44,1%), Termoplástico (6,9%) e Metalúrgico (16,7%).

Em relação aos principais produtos fabricados pelo PIM, os maiores destaques em termos de crescimento de produção, na comparação de janeiro a setembro de 2017 com o mesmo intervalo de 2016, foram: monitores com tela de LCD (para uso em informática), com 819,2 mil unidades produzidas e crescimento de 222,2%; rádios e aparelhos reprodutores e gravadores de áudio portátil (mp3/mp4 e toca disco digital a laser), com 248,8 mil unidades produzidas e crescimento de 32,4%; condicionadores de ar do tipo split system, com 1,8 milhão de unidades produzidas e crescimento de 50,4%; home theater, com 51,2 mil unidades produzidas e crescimento de 66,6%; forno microondas, com aproximadamente três milhões de unidades produzidas e crescimento de 70,1%; microcomputadores portáteis, com 402,6 mil unidades fabricadas e crescimento de 29,8%; tablet PC, com 471,3 mil unidades produzidas e crescimento de 34,7%; e televisores com tela de cristal líquido, com cerca de oito milhões de unidades fabricadas e crescimento de 4,4%.

Descarada canalhice é marca registrada da Globo

Não tem limites o DNA de canalhices do grupo Globo. O empresário argentino, Alejandro Burzaco reiterou em Nova Iorque que pagou propina para a TV-Globo. Só que desta vez a escória da Globo se fechou em copas. Não deu uma linha no torpe e safado Jornal Nacional. Botou o rabo entre as pernas. Não falou mais em honra e isenção.Palavras que só conhecem se abrir o dicionário. A Globo não  protestou com falsa indignação. Estranha omissão. Porque não mandaram Bonner ler novamente outro texto meloso, repleto de indigência mental, como fizera quando Burzaco fez a revelação inicial? É o venal, arrogante, pretensioso e mentiroso jornalismo marca registrada do grupo Globo. Nessa linha, a Globo e  O Globo preferem centrar suas covardes baterias contra José Maria Marin, Ricardo Teixeira e Marco Polo Del Nero.  O Grupo Globo enche as burras e paga suas dívidas à custa do que recebem do futebol brasileiro. Não têm moral nem autoridade para criticar Marin, Teixeira e Del Nero. Os sórdidos e velhacos do grupo Globo imaginam que o povo vai esquecer as trapalhadas empresariais que estão acostumados a fazer. Enganam apenas os trouxas e desavisados. Belo dia a verdade aparece. Corja de canalhas!

quinta-feira, 16 de novembro de 2017

Para Tite o corinthians vale mais do que Neymar e companhia

Neymar que nada. Gabriel Jesus, pois sim. Phelipe Coutinho, jamais. Paulinho, duvido. Marcelo, nunca. Tite pensa em levar para a copa da Rússia todo o time do Corinthians. Como bom gaúcho, Tite decidiu levar como reservas, o time inteiro do Grêmio. E cara alegre, Neymar. Sem choro.  

quarta-feira, 15 de novembro de 2017

Bonner jura que na Globo só tem santos e anjos

Tomado por falsa indignação, William Bonner falou grosso no vetusto Jornal Nacional.  Garantiu   que o grupo Globo é um santuário de imaculados, santos e anjos.   Jamais recebeu ou pagou propinas para firmar contratos.  Agora que assinou longos e exclusivos contratos para transmitir, com exclusividade, copas do mundo, copa América, brasileirão, libertadores,   torneios de cuspe a distância, salto com vara  e me engana que eu gosto, a angelical  vênus platinada escalou Bonner para ser o porta-sabujo do grupo. Quase chorando, no manjado  lero-lero global para enganar trouxas e desavisados. Tentando  desmentir acusações do empresário argentino Alejandro Burzaco, em Nova Iorque. Bonner falou de isenção, honra e bom jornalismo. Virtudes que o grupo Globo conhece só de vista.  Toda a midia esportiva mundial recebeu propinas  para firmar contratos. Menos a Globo, claro.Não parou por aí o rosário de  conversa fiada de Bonner.   Jurou de pés juntos que investigações internas fajutas da Globo confirmaram a  inocência do ex-diretor da Globo  nos episódios relatados por Burzaco. Qual a novidade? Ora bolas, o mundo esportivo ficaria surpreso é se  as investigações incriminassem o ex-diretor. Que também é santo. Com altar e tudo. 

terça-feira, 14 de novembro de 2017

Esqueceram de definir qual será o ministério do povo

Os tucanos deixam o barco do governo. Rápidos como o raio, outros partidos já saem no tapa na disputa pelo rico espólio do PSDB. Temer e alquimistas do Palácio do Planalto têm que agir depressa para dividir as fatias do bolo ministerial entre os outros partidos que apoiam o governo. Todos famintos pelos orçamentos dos principais ministérios e, evidente,  interessados em salvar o país.  Cada partido se julga dono de algum ministério.A gula é colossal.  Na divisão esqueceram de dizer qual será o partido do povo. Aquele que realmente vai  atender os anseios da população.

Suframa no Salão Duas Rodas

A convite da Associação Brasileira dos Fabricantes de Motocicletas, Ciclomotores, Motonetas, Bicicletas e Similares (Abraciclo), a Suframa  participará, de  13 e 19 de novembro, em São Paulo (SP), da 14ª edição do Salão Duas Rodas. A exposição é considerada a maior do setor de Duas Rodas em toda a América Latina e é a principal referência para o público interessado em conhecer as inovações no mercado de motos, acessórios e equipamentos. Nesta 14ª edição, são esperados mais de 260 mil visitantes, com a exposição de 500 modelos de motocicletas e mais de 400 marcas participantes. A autarquia se fará presente com um estande institucional de 50 metros quadrados, que terá o objetivo principal de comemorar os 50 anos da Suframa e do modelo Zona Franca de Manaus, completados em fevereiro de 2017. No estande, além da apresentação de conteúdos audiovisuais e distribuição de material informativo, técnicos das Coordenações-Gerais de Estudos Econômicos e Empresariais, Comunicação Social, Comércio Exterior e Análise e Acompanhamento de Projetos Industriais estarão à disposição para realizar atendimentos personalizados e fornecer informações técnicas para os visitantes. O estande ficará aberto das 14h às 22h, no período de 14 a 18 de novembro, e das 11h às 19h, no dia 19 de novembro.

segunda-feira, 13 de novembro de 2017

O senado é melhor para Rollemberg

Não tenho amizade com o governador Rodrigo Rollemberg. Trocamos raros cumprimentos no senado.Ninguém pode negar que assumiu o cargo com imensa herança nefasta. Rodrigo é operoso. Mas não tem a varinha de condão que faça dinheiro.  É alvo de intenso e implacável bombardeio no noticiário político. A tendência é se agravar. Nessa linha, sugiro ao governador que esqueça a reeleição ao governo. Dispute o senado.Deixe os falsos isentos se comerem entre si.  Não dê o gostinho amargo aos desafetos de ficar na chuva, sem mandato. Rollemberg sabe melhor do que ninguém que as hienas e abutres políticos não dormem. Babam sangue pelos poros.

Atire a primeira pedra - Carlos Brickmann

Não é a injúria racial, ou racismo, o motivador da campanha: é o pensamento de Waack, que desagrada militantes de tendências opostas.

Não consegui ouvir direito a frase que motivou o afastamento de William Waack da Rede Globo de Televisão. Mas minha eventual incapacidade auditiva, e a de vários colegas que também tentaram ouvi-la sem êxito, não entra na discussão: admitamos que Waack tenha mesmo dito que as buzinadas na rua, que atrapalharam a gravação de seu programa e o irritaram, eram “coisas de preto”.

Mas, como minha surdez, a frase de Waack não tem nada a ver com o caso. A campanha contra ele, um ano depois da gravação da frase, não tem como motivo algo que tenha dito, mas o fato de ter sido dito por ele. Não é a injúria racial, ou racismo, o motivador da campanha: é o pensamento de Waack, que desagrada militantes de tendências opostas.

Imaginemos que, em vez de Waack, outras pessoas, de outras tendências político-partidárias, tivessem pronunciado frases do mesmo teor. Melhor, em vez de imaginar, lembremos frases já enunciadas por pessoas tão ou mais influentes que William Waack:

Do presidente Ernesto Geisel, referindo-se a um economista liberal (e, portanto, adversário de sua política econômica), professor Eugênio Gudin: “Esse judeu filho da puta!” O episódio é narrado na excelente obra de Elio Gaspari sobre o regime militar. Alguém protestou contra a frase preconceituosa de Geisel? OK, era perigoso falar mal de Geisel durante a ditadura. Mas nas dezenas de anos que se passaram, e com o caso voltando ao debate com os livros de Gaspari, houve protestos? A propósito, o professor Gudin não era judeu.

Do presidente Luiz Inácio Lula da Silva para o prefeito de Pelotas, RS: “Pelotas é um pólo exportador de veados”. Homofobia? Ninguém chegou a falar nisso, que me lembre. Ah, se Waack fosse o autor da frase!

… cá entre nós, quem nunca fez piada de português, de loira burra, de preto, de judeu, de turco, de veado, de sapatão? Apresente-se…

Do governador paulista Orestes Quércia, brincando ao telefone com o prefeito de Pelotas (que ficou furioso): “Podemos fazer uma estrada ligando Campinas a Pelotas, a Transviadônica”.

E há, é óbvio, o caso de Caetano Veloso. Paula Lavigne disse que, aos 13 anos, foi à festa de aniversário de Caetano, que fazia 40, com a intenção (bem sucedida) de fazer sexo com ele. Agora, na mesma guerra ideológica que tenta vitimar Waack, mas com sinal partidário trocado, quiseram atribuir a Caetano o crime de pedofilia, como querem atribuir a Waack o de racismo. E, semelhante em ambos os casos, há a má intenção de atingir uma pessoa de quem não gostam usando pretextos politicamente corretos.

E, cá entre nós, quem nunca fez piada de português, de loira burra, de preto, de judeu, de turco, de veado, de sapatão? Apresente-se. E atire a primeira pedra.

CARLOS BRICKMANN – é jornalista. Diretor do Chumbo Gordo.
carlos@brickmann.com.br

Safado Juca Kfoury

O asno, embusteiro, folclórico e repugnante Juca Kfoury, manjado rebotalho da crônica esportiva, não tem moral nem autoridade para abrir a boca imunda para criticar e insultar  José Maria Marin. Antes, o perebento Kfoury precisa retrucar, se puder, afirmação do ex-presidente do Corinthians e deputado federal, Andrés Sanches, que em artigo na Folha de São Paulo,  chamou Kfoury  de "colunista que tem estilo gilette: corta dos dois lados".

Roseana Sarney de volta

Carismática e operosa, Roseana Sarney reúne qualidades para retornar ao governo do Maranhão, nas eleições de 2018.  Nada supera a força do trabalho isento e dedicado. A arma de Roseana é o voto.

Não deprima, Mariliz Pereira

Chora, Mariliz Pereira Jorge, que a cama é quente( "É para chorar mesmo" -  Esporte - 11/11). A azeda
colunista mostra-se desapontada porque Marco Polo Del Nero será reeleito em abril, presidente da CBF, com mandato até 2022. O disco já rachou e ficou  manjado: A seguir, também  na Folha,  será a vez de Juca Kfoury e Tostão falarem mal de Marco Polo. Tomara que  o trio de formidáveis colunistas  não entre em depressão, ao ponto de cortar os pulsos ou atear fogo às vestes.

Ao comentar níveis de violência e assassinato de jovem, Ana Amélia defende projeto que restringe saída temporária de presos

Ao comentar sobre os preocupantes níveis de violência no Brasil e o assassinato de uma jovem radiologista de 22 anos, cometido por um homem beneficiado pela "saída temporária", a senadora Ana Amélia (Progressistas-RS), citou o projeto de lei (PLC 6579/2013), que restringe as saídas temporárias de presos.
A senadora lembrou que o Brasil permite que os apenados tenham direito a quatro saídas temporárias por ano e disse que em nenhum país do mundo existe isso. O projeto apresentado pela parlamentar, aprovado pelo Senado em 2013, e agora parado na Câmara, limita a apenas uma saída e exige que o detento seja réu primário.
- Muitos que são beneficiados pelo saidão não voltam e acabam reincidindo no crime – disse a senadora.

Fonte: Agência Senado e Assessoria de Imprensa

sexta-feira, 10 de novembro de 2017

Ganso merece uma chance na seleção

O Brasil venceu o Japão sem dificuldades. Tite experimentou diversos jogadores. Nenhum deles, porém,  joga mais do que Paulo Henrique Ganso, que, estranha e injustificavelmente continua sem merecer uma chance do técnico. A bola e o torcedor exigente lamentam.

Dória defende ZFM e aposta em empregos

O prefeito de São Paulo e pré-candidato à Presidência da República, João Doria, defendeu em Manaus o modelo industrial local e se colocou como opção aos extremos nas eleições do próximo ano
Lado mais afetado pela crise econômica e política brasileira, o empresariado ouviu ontem do prefeito de São Paulo, João Doria, uma espécie de convocação para reagir diante do possível retorno do “populismo” e da irresponsabilidade fiscal que afundaram a economia do País. Em reunião com empresários, em Manaus, ele provocou: “Defendam o Brasil. Não tenham medo”, disse. “Um governo populista, vocês viram no que deu: recessão e falta de emprego”.
Diante da plateia de empresários, no Clube do Trabalhador, Doria disparou. “Da Petrobras 151 bilhões de reais foram surrupiados e vem Lula e essa gente, esses que fizeram a roubalheira, assaltaram cofres para comprar sítio, tríplex, Previdência, jatinho. Chega! O Brasil precisa dar um basta nisso”. ( A Crítica)
Doria é a favor das reformas
Presidenciável defendeu as mudanças na legislação trabalhista e nas regras da previdência como fator de desenvolvimento do País
Para Arthur, Manaus não precisa de lição de gestão
Integrando o seleto grupo de prefeitos do mundo inteiro convidados a participar da conferência sobre cidades resilientes, promovida pelo Banco Mundial, em Bangkok, na Tailândia, o prefeito Arthur Neto (PSDB) comentou a passagem do prefeito de São Paulo, João Dória (PSDB), por Manaus. “Não precisamos de lição de gestão de ninguém. Precisamos é de compromisso com a ZFM, porque toda hora tem um ataque vindo de São Paulo para nós”, disparou Arthur, defendendo que o prefeito da capital paulista deve usar sua influência junto aos deputados para que votem em defesa do modelo econômico que mantém a Floresta Amazônica em pé: “A ZFM tem o apoio da Organização Mundial do Comércio, mas precisa ser mais compreendida internacionalmente e pelo próprio Brasil, devido ao seu apelo sustentável”, finalizou. Um dos projetos apresentados ao Banco Mundial pelo prefeito de Manaus para financiamento local se refere à viabilidade de agregar ao sistema de transporte coletivo da cidade o modal aquaviário.
(Diário do Amazonas)

SUFRAMA debate industrialização com parlamentares e empresários em Tabatinga

A utilização dos benefícios fiscais do programa Zona Franca Verde (ZFV) para atrair indústrias em Tabatinga foi um dos principais temas de encontro entre técnicos da SUFRAMA, parlamentares e empresários do município do Alto Rio Negro (a 1105 quilômetros de Manaus)  no auditório do Centro de Estudos Superiores de Tabatinga, da Universidade do Estado do Amazonas (UEA). O evento marcou o segundo e último dia de atividades da missão técnica da autarquia em Tabatinga.
A Câmara Municipal de Tabatinga abreviou a duração da sua sessão para que vereadores participassem da iniciativa.Parlamentares expuseram as dificuldades dos empreendedores, tiraram dúvidas sobre a atuação da SUFRAMA e elogiaram a ênfase da autarquia em ações de interiorização do desenvolvimento.

Palestra

Em palestra direcionada a empresários e potenciais investidores, a coordenadora geral de Estudos Econômicos e Empresariais da SUFRAMA, Ana Maria Souza, fez uma contextualização histórica da criação das Áreas de Livre Comércio (ALCs) e as razões para a instituição da ZFV. " As ALCs surgiram em um momento de abertura da economia do Brasil para o mercado global quando o Imposto de Importação (II) era muito alto. Ao longo do tempo, com a redução das alíquotas desse tributo, a aquisição de mercadorias importadas deixou de ser um diferencial capaz de movimentar a economia das ALCs. Portanto, tornou-se necessária a adoção de novas medidas de fomento econômico, como a ZFV", explicou.
A economista da SUFRAMA frisou que a Zona Franca Verde (ZFV) garante a isenção do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) na operação de venda para produtos fabricados nas ALCs com preponderância de matéria-prima regional.  "A ideia da ZFV é atrair para as ALCs indústrias fabricantes de produtos fitofarmacêuticos, fitoterápicos, alimentícios, por exemplo, cuja matéria-prima mineral, vegetal ou animal seja oriunda da nossa região", detalhou.
Alguns empresários relataram as dificuldades de operacionalização de seus negócios por conta da infraestrutura precária do porto da cidade e da baixa qualidade dos serviços de fornecimento de energia e telecomunicações.
Durante a sessão, também foi discutida a possibilidade da realização, no próximo ano, em Tabatinga, de um curso de apresentação de projetos para a SUFRAMA por solicitação da Câmara de Dirigentes Lojistas de Tabatinga. "Quando a Zona Franca de Manaus surgiu, a cidade era um porto de lenha. Muitos não acreditavam no sucesso dela porque não conseguiam imaginar que nela surgiria um parque fabril do porte que ela tem. Tenho certeza de que daqui a alguns anos veremos o mesmo acontecer com a Área de Livre Comércio de Tabatinga, especialmente como conexão logística do Pacífico", resumiu Ana Souza.

Pioneira

A cidade de Tabatinga foi a primeira ALC a ser criada, por meio da pela Lei nº 7.965/89. O município de Tabatinga possui o maior Produto Interno Bruto (PIB) na região do Alto Solimões e tem sua estrutura produtiva dividida em 62% de serviços públicos, 27% de serviços privados, 6% da indústria e 5% do setor agropecuário.

quinta-feira, 9 de novembro de 2017

Festival Vitorioso

Foto de Paula Carrubba
Sucesso retumbante a 12* edição do Festival de Cinema de Taguatinga- Nossa porção mulher. Semana de oficinas, excelentes filmes, talentosos cineastas e diretores,  representantes de diversos Estados,  debates, música,  e a certeza de que o cinema diverte, ensina, comove e merece, pela sua grandeza e importância, o incentivo das autoridades.Organização perfeita.  Patrocínio do FAC e realização da Faísca, Baru-Lab e Aribu Cultural. Idealizador do festival, William Alves mais uma vez deixou sua marca de eficiência, e competência.  
O time do Festival, a escolha da equipe de produção, da curadoria, do júri, a apresentação com a poeta, atriz, feminista Marina Mara, o fechamento do festival com o show da Liniker, tudo foi muito coerente com o tema e a proposta do Festival nessa edição, de contemplar o tema "Nossa Porção Mulher" e filmes que trazem questões importantes para nossa cultura e reflexão. Um Festival que trouxe o tema do feminismo e do sagrado merece todo respeito. 
Um Festival de Cinema produzido por uma equipe de 70% mulheres: Janaína André, Luciana Santos, Janaína Montalvão, Joana Limongi, Fernanda Samarco, Pâmella Faria, Adriana Gomes, Nina Rodrigues, Raíssa Miah, Paula Carrubba, Nara Oliveira, Micaela Neiva, Nadja Dulci, Natália Botelho e Sammara Oliveira. Mas o homens não foram excluídos: William Alves, Watson Odilon, FF, Thiago Fanis, Guilherme Soares Azevedo, Orlando Bial, Rodrigo Martins, Pedro Brant, Farid Abdelnour, Rodrigo Marchado e Adriano Maimon.

FHC deu tiro no pé

Como de costume, diante das dificuldades,  o profeta FHC acendeu o fósforo e jogou no arraial alheio. A bola da vez é Temer.  O sábio FHC exige que o PSDB cuspa no prato do Palácio do Planalto, onde come e se lambuza há mais de um ano. Pensa (perdão, foi mal) que o partido crescerá junto aos eleitores, rompendo com o governo.   O ex-presidente adora a fábula do macaco: senta no próprio rabo para criticar os outros. Tiro no pé.  Ao invés de unir o partido em torno da saída do barco de Temer, desagregou mais ainda os tucanos, atiçando a ira de correligionários desejosos de permanecer nos cargos federais.

PT e PMDB se amam

PT e PMDB estão flertando para reatar o namoro antigo.  É a receita do viciado presidencialismo, onde vale tudo, menos perder.  O PT e o PMDB se amam. Brigam muito, mas são apaixonados um pelo outro. São casados em comunhão de bens. É imenso o espólio que conquistaram nos governos Lula e Dilma. O poder fascina. Político que não almeja uma mísera fatia do poder não é bom político

segunda-feira, 6 de novembro de 2017

Livreco do molusco Kfoury

Freud explica as críticas do molusco Juca Kfoury, folclórico colunista e escritor de araque,  ao presidente da CBF, Marco Polo Del Nero ("Luan, o iluminado" - Folha de São Paulo -  Esportes -  29/10). Depois de lançar um livreco  medíocre e bolorento,  "Confesso que Perdi", o  desmoralizado Kfoury fica na obrigação de escrever outra obra medonha da  sua biografia: "Confesso que não presto". Sucesso garantido.